24. jul, 2016

Roteiro de 11 dias pela Suiça

Nosso passeio pela Suíça durou 11 dias. Foi bem corrido, mas suficiente para conhecer o que queríamos. Não entramos em museus ou atrações fechadas, a ideia era conhecer o visual das cidades e as paisagens. 

Para se locomover utilizamos na maior parte dos dias nosso SwissPass (https://www.swiss-pass.ch/de/swiss-pass/), mas como escolhemos o de 8 dias, nos dois primeiros e no último dia precisamos de outro meio de pagamento. O SwissPass da direto a viagens ilimitadas nos transportes comuns e desconto nos trens panorâmicos. Existem vários trens panorâmicos na Suíça, vou falar sobre os dois percursos que fiz, mas o site Viaje na viagem (http://www.viajenaviagem.com/destino/suica/) fala detalhadamente de cada um deles...vale a pena conferir.

E assim distribuímos nosso dias...

Dias 1 e 2: Zurique

Chegamos em Zurique de ônibus, vindo da Alemanha, mas isso conto com mais detalhes no post sobre transportes na Europa. Passamos o dia da chegada e mais um dia inteiro pela cidade andado aleatoriamente para conhece - lá. A cidade é muito bonita, principalmente ao redor do lago.

Quando chegamos precisamos comprar um ticket e confesso que foi bem confuso entender qual ticket comprar e como usar ... rs ... no fim compramos um ticket de múltiplas viagens que tínhamos que validar na maquininha antes de entrar nos transportes. Utilizamos o ticket apenas para ir e voltar do hotel, pois ficamos um pouco afastado do centro, já que hospedagem na Suíça também é cara. Ficamos num apart hotel simples, mas muito legal e bem próximo a um ponto de ônibus (Swiss Star Tower - https://swiss-star.com/?lang=en). Não havia porteiros ou recepcionistas...recebemos uma senha para pegar e deixar a chave numa espécie de caixa de correio na entrada do prédio. 

Se quiser saber um pouco das opções de ticket do sistema de transporte de Zurique entre no site https://www.stadt-zuerich.ch/vbz/en/index/tickets/tickets_prices.html

Dia 3: Chur

No 3º dia fomos logo de manhã para Chur de trem e aproveitamos o dia por lá. Nesse dia começamos a utilizar o SwissPass, então todos os trajetos estavam pagos. Em viagens longas de trem sempre havia fiscais solicitando o ticket, e às vezes também havia fiscalização nos transportes públicos das cidades. A cidade é pequena e bem bonita com montanhas ao redor e também é procurada para ski. Um passeio muito bonito e ir de ônibus até Caumasse, um lago azul de beleza incrível. 

Sendo repetitiva, hospedagem aqui também era cara...pagamos 110 francos suíços em um quarto de casal, mas com banheiro compartilhado no hostel “Viva Hostel”. O quarto era legal, simples, mas confortável; e o café da manhã ótimo.

Dia 4: Glacier Express

O Glacier Express é um trem panorâmico que vai de St Moritz a Zermatt, porém não fizemos o trajeto inteiro, mas grande parte dele. Começamos em Chur e descemos em Tasch num percurso que durou pelo menos 6 horas. Porém foram 6 horas de paisagens incríveis; apesar de ser abril estava nevando e cada curva trazia uma imagem espetacular. O trem tem janelas enormes que permite ver toda a paisagem ao redor, pena que com o reflexo do vidro nem todas as fotos ficaram muito boas (uma técnica é encostar a câmera no vidro). É preciso agendar previamente este passeio e mesmo com o SwissPass é necessário pagar um valor adicional. No passeio há opção de almoço e compramos nosso ticket com essa opção, já que passaríamos o dia inteiro dentro do trem (http://www.glacierexpress.ch/en/Pages/default.aspx)

Dia 5: Zermatt

Zermatt é incrível...o ponto mais alto da viagem! (Literalmente)

Porém ficamos hospedados em Chur porque era mais barato e estava a apenas 10 minutos de trem de Zermatt com horários bem frequentes.

No dia seguinte fomos para Zermatt. Chegamos em Chur debaixo de neve, o que proporcionou um visual lindo e uma experiência maravilhosa, mas no dia seguinte fez um lindo dia de sol para melhorar ainda mais o passeio.

Em Zermatt fica Matterhorn, a montanha que ilustra as embalagens de Toblerone e meu post inicial sobre a Suíça. Lá há dois passeios principais, a ida a Gornegrat e ao Glacier Paradise, nós escolhemos o Glacier e foi fantástico. O passeio é composto por várias etapas, todas de teleféricos; sendo às vezes cadeiras às vezes bondinhos. Em cada parada para troca de transporte é possível desfrutar da vista que é linda, e também é possível esquiar. A última etapa é um bondinho que sobe a quase 90º e te leva no ponto mais alto que faz divisão com a Itália e de lá é possível ver neve a perder de vista.

Dia 6 e 7: Montreaux e Lausanne / Berna

Montreaux e Lausanne

Montreaux é uma cidade a beira do lado, como é pequena dá para conhecer em um dia. No centro da cidade fica uma escultura em homenagem a Fred Mercury e há várias esculturas em arbusto dos Smurfs. No mesmo dia fomos Velvey e Lausanne, um passeio muito rápido só para dar uma olhadinha na cidade. Em Velvey existe um famoso passeio no trem de chocolate, mas quando fui não estava operando. Para voltar para Montreaux utilizamos o barco como meio de transporte, que também estava incluso no nosso SwissPass.

Recebemos do hotel um ticket para utilizar gratuitamente o transporte da cidade, nem precisávamos porque estávamos com o SwissPass, mas é uma boa para quem opta em não compra - lo. Nosso hotel aqui foi um dos melhores da viagem, Golf Hotel René Capt e o preço que pagamos foi similiar aos das demais cidades.

No segundo dia pela manhã, fomos conhecer o Castelo de Chilon que inspirou o Castelo da Pequena Sereia...lindo! Muito bem conservado, uma construção incrível! Veja fotos no álbum de fotos!

Depois da visita ao castelo partimos para Berna...

Berna

Berna foi uma visita relâmpago... passamos apenas uma tarde pela cidade. Conhecida como a cidade dos ursos, dois pontos famosos na cidade são o relógio dos ursos e o parque no centro da cidade onde ficam três lindos ursos. O relógio toca a cada uma hora e os ursos “dançam”, mas confesso que não vi muita graça...rs. Os ursos reais do parque são lindos, mas deveriam estar em seu habitat natural...

Em Berna optamos por ficar hospedados através do site Airbnb, nossa anfitriã era muito simpática e a casa limpa e agradável. Apesar de afastada do centro a localização era boa, pois era bem próxima a um ponto de ônibus.

Dia 8: Interlaken

Fazendo um bate e volta a partir de Berna, fomos a Interlaken, outro lugar incrível. Infelizmente não deu tempo de conhecer a cidade, aproveitamos apenas o passeio até Jungfraujoch, também conhecido como “Top of Europe”.

Saindo de Interlaken Ost há duas opções para subir até o topo da montanha, e pode-se subir por uma e voltar pela outra. Parte do trajeto é transporte comum, então o SwissPass dá direito a utilizar sem necessidade de pagar taxas adicionais, porém os trechos finais requerem o pagamento. O trecho final é feito através de tuneis com algumas paradas para apreciar a vista através de mirantes de vidro. No topo da montanha tem um palácio de gelo e aparentemente um parque de diversão, mas este segundo infelizmente não estava funcionando quando fomos L. Entretanto o passeio pelos “vales” de neve e a vista por si só já valem a pena!

Dia 9: Wilhelm Tell Express

Esse é outro passeio panorâmico que cruza a Suíça, neste caso no sentido norte sul. Saímos de Berna pela manhã e fomos até Lausanne de onde iniciava o trajeto. Infelizmente não deu tempo de conhecer Lausanne, apenas seu lindo lago. O passeio é dividido em duas partes, uma de barco e outra de trem. Com o SwissPass é possível fazer todo o trajeto sem pagamentos adicionais, porém caso opte por pagar uma taxa adicional o almoço no barco é incluído e o trajeto de trem é feito em um vagão panorâmico; acabamos optando por fazer a opção “free”.

Dia 10: Lugano

Lugano é o pedacinho italiano da Suíça, com direito a gelatos e ótimas massas. Comi um nhoque maravilhoso, mas infelizmente não lembro o nome do restaurante, a única referência que tenho é que ficava em frente ao Ibis Budget onde nos hospedamos. A propósito, de budget não tinha nada, mas foi um bom custo benefício. Lugano também é uma cidade a beira lago que vale a visita. Se tiver com tempo é possível ir até Milão, só não fomos porque só tínhamos um dia.

Dia 11: Basileia

De Lugano fomos a Basiléia de onde partiria nosso voo pra Inglaterra. Na página de dicas gerais falo das companhias aéreas lowcost que ajudava viabilizar todas as viagens 🙂 Basileia também foi uma visita relâmpago, apenas escolhida por logística, pois era a cidade mais fácil de encaixar no nosso trajeto para pegar o voo de volta... como estatística valeu a curiosidade de conhecer a cidade das regulamentações bancárias...rs. Aqui ficamos hospedados no Easy Hotel (http://www.easyhotel.com/pt/). O Easy Hotel tem opções econômicas em diversas cidades, e falo um pouco mais sobre ele no post da Inglaterra. Entretanto vale mencionar que a opção mais barata do Easy, que é o quarto sem janela, em Basileia era muito melhor que os da Inglaterra. O quarto era muito espaçoso, tinha tv e internet no quarto sem necessidade de pagamento adicional; nos deram um ticket valido para viagens ilimitadas no transporte público e ademais nos deixaram fazer late check out sem cobrar pelo serviço...experiência ótima...recomendo.